Estudantes da Área de Proteção Ambiental Pouso Alto viajam para Conferência de Humanidades na Bélgica

banner_belgica

Seis estudantes de ensino médio de escolas estaduais situadas na Área de Proteção Ambiental (APA) Pouso Alto, foram selecionados para participarem da Conferência Mundial das Humanidades, na cidade de Liège, Bélgica, entre os dias 6 e 12 de agosto.

Veja quem são os alunos, suas respectivas escolas, cidades e projetos:

João Vítor Teles de Andrade do C.E. Frederico Bernardes Rabelo em São João D’Aliança, representa o projeto Cílios nos Olhos D’água, resgatando o patrimônio cultural da comunidade são-joanense, que busca desenvolver a construção de atitudes para a preservação com desenvolvimento sustentável ambiental, cultural e social, sobretudo a partir do trabalho de recuperação e cuidado com as nascentes.

Emylly dos Santos Mizael estudante do C.E. Joaquim Tomaz F. Da Silva em Colinas do Sul, representa o projeto intitulado S.O.S Almécegas, com intuito de contribuir para a revitalização do rio Almécegas, importante afluente do lago Serra da Mesa, ressaltando os valores sociais necessários para alcançar tal objetivo.

Isa Ingryd Marques Freire do C.E. Elias Jorge Cheim na cidade de Cavalcante, com o projeto Pedalada do Ecosaber busca, a partir da realização de um passeio ciclístico pela cidade, que envolve trilha urbana e rural, despertar o olhar crítico e atento dos educandos para os problemas urbanos e naturais

Sabrina Lira de Moura do Educandário Humberto de Campos, em Alto Paraíso de Goiás, traz o projeto Educandário Humberto de Campos em Ação, retratando suas origens, que se destinou ao resgate do processo histórico da escola a fim de descobrir o papel que a instituição ocupa, ocupou e ocupará no território da Chapada dos Veadeiros/APA Pouso Alto. Envolveu processos de levantamentos de dados em documentos históricos e trabalho de campo com personagens que ajudaram a construir a história da unidade escolar.

Sayonara Pereira da Silva do C.E. Mal. Humberto de A. Castelo Branco em Nova Roma, representa o projeto com título Melhoria Ambiental e Qualidade de Vida, que busca promover e aprimorar a preservação e conservação da biodiversidade juntamente com o resgate da cultura local e regional, para melhorar a gestão ambiental dos recursos naturais.

Tâmille de Sousa Diniz do C.E.Joaquim de Souza Fagundes em Teresina de Goiás, traz o projeto Frutos da nossa história, com intuito de valorizar os saberes populares, explorando e registrando os fatos inerentes à diversidade cultural do município. A materialização do processo de pesquisa resultou no registro de relatos e fotografias.

 Os estudantes foram selecionados durante o Festival de Humanidades que aconteceu dos dias 22 a 25 de junho, na cidade de Alto Paraíso de Goiás. Dentre os 17 ODS estipulados pela ONU está o compromisso em “assegurar a educação inclusiva, equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos” (ODS#4). Para efetivar esse objetivo, a SEDUCE (Secretaria de Educação, Cultura e Esporte) criou o Instituto de Pesquisa, Ensino e Extensão em Arte Educação e Tecnologias Sustentáveis/IPEARTES, que tem por coordenadora Luz Marina de Alcântara, como representante da secretária Raquel Teixeira.  A instituição está zelando pelo cumprimento do ODS#4 e das nove metas previstas para o setor educacional na Agenda 2030 da ONU.

A professora Luciana Lima acompanhou todas as etapas de realização da Olimpíada de Humanidades, desenvolvida ao longo do primeiro semestre. Ela será responsável pela comitiva de estudantes goianos durante o evento internacional, sobre o que declara: “ É uma experiência nova e também uma grande responsabilidade para mim, enquanto educadora e comunicadora, essa questão de mediar os diálogos com as pessoas que vamos encontrar pelo caminho. Acredito que, investindo na juventude estamos investindo no futuro. Com essa iniciativa, o governo do Estado contribuirá para o crescimento cultural desses estudantes e, consequentemente, de suas escolas e cidades, pois além do prêmio, essa oportunidade se abre como um grande desafio: o de pensar junto com a coletividade mundial como cada um desses jovens poderá contribuir para solucionar problemas de suas localidades, tendo como foco o alcance da sustentabilidade, que significa garantir a preservação dos recursos ambientais e culturais para as presentes e futuras gerações”.

A estudante Tâmille de Sousa Diniz, do Colégio Estadual Joaquim de Souza Fagundes (Teresina de Goiás), afirma: estou muito feliz e ansiosa. Creio que será uma viagem muito boa, pois vou aprender muito. Vai ser bom para o meu currículo. Além disso, vou completar os 15 anos fora do país, isso é um grande presente para mim!”.

A mãe de Tâmille, Técnica em Enfermagem aposentada do município e professora da escola onde a filha estuda, Maria do Socorro Diniz, comenta se sentiu apreensiva assim que recebeu a notícia de que a jovem, menor de idade, viajaria para fora do Brasil: “não foi fácil quando eu soube que ela tinha sido escolhida… a princípio eu não deixei, pois me bateu aquele desespero e preocupação. Eu ainda não tinha assimilado a importância e a grandeza do evento. Mas depois percebi que essa é uma oportunidade única na vida dela, pois dentro das minhas condições eu não teria como investir numa viagem dessas”.

Com entusiasmo, Emily dos Santos Mizael, estudante do Colégio Estadual Joaquim Tomaz F. Da Silva (Colinas do Sul), diz:  “é a primeira vez que vou para fora… o nervosismo, a ansiedade e as expectativas são grandes. A viagem será uma boa oportunidade de apresentar o nosso município e, além disso, vou poder trazer conhecimento e experiências novas para a escola”.

 

Mais informações no site: www.olimpiadadehumanidades.orgg

 

Assessoria de Comunicação Ciranda da Arte

 

Comentários estão fechados